TDC 2018
Porto Alegre
Um dos maiores encontros de comunidades e empresas no Brasil

Trilha Gestão de Produtos Para criar e evoluir produtos que as pessoas amam

É através da gestão de produto que são identificados os produtos que deverão ser construídos para endereçar as necessidades e dores de clientes e usuários.

Muitas são as responsabilidades de um gerente de produtos: entender as necessidades de negócio e dos sponsors e stakeholders, criação da visão do produto, quem são os clientes/usuários, a experiência, as limitações técnicas, priorização de backlog, definição de roadmap de entrega de produto, gerência situacional, uso de métricas e data analytics no suporte à decisão e direcionamento, para tracionar, crescer e escalar.

Tudo isso, com a colaboração de um time multidisciplinar de desenvolvimento, UX, negócio, atendimento, suporte. O papel de um gerente de produtos é o de orquestrar todos os envolvidos em cada momento do ciclo de vida do produto e extrair o melhor de todos para entregar produtos sensacionais.

Isso tudo em meio a muito aprendizado e descobertas.

Ferramentas, dinâmicas, técnicas, erros e acertos. Há um mundo de possibilidades na gestão de produtos. Então vem compartilhar tuas experiências com a gente?

Palestras

Importante: A grade de palestras está sujeita a alterações sem prévio aviso.
Conteúdo
08:00 às 09:00 Credenciamento e recepção dos participantes

Todas as pessoas inscritas, palestrantes, coordenadores e de imprensa, devem retirar seus crachás e kit do congressista nos balcões de credenciamento localizados na entrada do evento, para obterem acesso às salas e Auditório Principal.

09:00 às 10:00 Abertura do evento no Auditório Principal

Após o credenciamento, convidamos os participantes a comparecerem ao auditório para receberem as boas vindas por parte dos realizadores e patrocinadores.

Neste keynote de abertura, todos serão orientados sobre o funcionamento do evento, destaques e outras novidades.

10:10 às 11:00 Gestão de Produtos de Dados no Nubank
André de Lannoy Tavares

No Nubank, o uso de dados por toda empresa é uma importante vantagem competitiva. Nos últimos um ano e meio tenho trabalhado no time de engenharia de dados com a missão de construir produtos que ajudem nossos clientes internos a tomar melhores decisões.

Nessa palestra vamos discutir as semelhanças e diferenças entre produtos de dados e produtos clássicos. O que muda e o que permanece igual em user research, medição de sucesso ou organização do trabalho? Mostraremos cases de produtos construídos pelo time, quais os problemas encontrados e quais os principais aprendizados.

Você está evoluindo seu produto de forma ágil?
Mary Provinciatto

A maior parte das organizações sente a necessidade de priorizar demandas e ideias em um roadmap por dois principais motivos: Garantir que as coisas mais importantes sejam feitas primeiro e ter visibilidade de quando elas ficarão prontas.

Com isso, as organizações fazem planejamentos anuais ou trimestrais, o que torna necessário responder às seguintes perguntas: Qual é o valor que isso irá agregar? Quanto dinheiro e tempo irá custar?

Trabalhar dessa forma pode gerar processos ineficientes e trazer diversos problemas. Nessa palestra vamos entender quais são esses problemas e suas causas, buscando gerar insights para solucioná-los.

11:10 às 12:00 Fazer Product Discovery mais rápido X Reduzir a distância entre Product Discovery e as expectativas de resultado da Empresa.
Haendel Sindra

Você e sua gerência tem se questionado sobre como podem reduzir o tempo de Discovery? Os stakeholders têm uma impressão de que o tempo para se ter clareza do problema é muito elevado? Além disso, quando a entrega é realizada ainda permanece um sentimento que as soluções ficaram inacabadas?

Estes eram os maiores questionamentos, sem respostas, que levaram nosso time a redesenhar um processo de Product Discovery seguindo as premissas:

  • Foco em um processo colaborativo entre PM, Designer e Devs.

  • Busca pela alta velocidade de iterações e eliminação de Riscos.

  • Definição de métricas, a fim de monitorar a evolução de um Outcome, alinhando expectativas para a Empresa e Stakeholders.

Design Sprint e Lean Inception se complementam. Como?
Mayra Souza

Duas técnicas uma de discovery e outra de definição, o objetivo desta palestra é mostrar como utilizar as técnicas de forma complementar. Existem algumas dúvidas que irei responder, como: o objetivo de cada técnica, o insumo do resultado de cada técnica, o que deve estar claro e preparado antes para cada técnica e em que momento realizar cada técnica. Junto compartilharei dicas sugeridas de cada técnica, e que você pode usar na outra para lhe apoiar. Venha saber como estou estruturando estas duas técnicas e também sugerir mais maneiras de pensar em como usar!

12:00 às 13:00 Intervalo para Almoço
Uma excelente oportunidade de todas as pessoas no evento interagirem e trocarem ideias, colaboradores, empresas patrocinadoras e apoiadoras, palestrantes e coordenadores.
13:10 às 14:00 Desenvolvimento de Funcionalidades Guiada por Testes e KPIs de Negócio
Jonatas Eduardo

Seja qual for o modelo de interação e gestão de produto que seu time usa para priorizar e validar funcionalidades do produto, é comum que não se tenha a visualização de quanto uma nova funcionalidade impacta no modelo de negócio e como ela influência o comportamento de cohorts impactadas, visualização que possibilita dar real significado do quão um novo fluxo ou funcionalidade simples pode impactar em métricas de negócio, seja qual forem elas, como no retorno de receita (LTV) ou na melhoria de conversão na aquisição de novos clientes (AARRR).

Apresentarei como Facebook e Google lidam com este desafio e como nos da Warren também enfrentamos este desafio, indo da teoria até o setup inicial.

Data Driven Product Development
Marco Rosner

Como construir/evoluir um produto deixando todas as decisões serem tomadas por seus usuários? Através do processo de elaboração de hipóteses, levantamento de métricas de desempenho, testes ABs e análise de dados todo o poder de decisão fica a cargo dos usuários. Essa palestra mostra como esse processo está direcionando as tomadas de decisões no Globo Play.

14:10 às 15:00 Job is done! Quem deveria acompanhar o que está sendo trabalhado e como?
Renata

Quem nunca teve um conflito sobre a ferramenta (seja usando Jira, Kanbanflow, quadro, etc) e fluxo do trabalho que atire a primeira pedra. As configurações de time estão cada vez mais diversas, seja em papel, seja em pessoas compondo um time. Mas afinal, para quem é a ferramenta de acompanhamento do trabalho? Quem define o como? Existe receita de bolo? Darei exemplos baseados na minha vivência trabalhando em times que usaram diferentes ferramentas (scrum, kanban, design sprint) e de diferentes configurações (presencial, remoto, todos da companhia, mesclado com o cliente).

Além dos milissegundos: a Psicologia da Performance em Produtos Digitais
João Cunha

A noção de tempo pode ser dividida em duas formas: objetiva e subjetiva. Enquanto a noção objetiva é facilmente mensurável, a subjetiva envolve a percepção psicológica de como o tempo transcorre.

Estas noções também se aplicam ao digital; os números absolutos de performance não contam a história completa - a performance está diretamente ligada à maneira como nossos cérebros percebem o carregamento da página. APIs lentas, redirecionamentos e requisições assíncronas são alguns dos gargalos negligenciados por fugirem ao nosso controle.

Nessa palestra vou falar de conceitos para aumentar a percepção de performance e técnicas que apliquei com sucesso em produtos que somam bilhões de page views.

15:00 às 15:30 Coffee-break e Networking

Durante o intervalo de coffee-break, serão entregues kits contendo suco e biscoitos. Um delicioso intervalo para relaxar, conhecer novas pessoas e estreitar contatos.

Neste tempo, também surge a oportunidade de todas as pessoas no evento interagirem entre sí, participantes das trilhas, empresas patrocinadoras e apoiadoras, palestrantes e coordenadores.

15:40 às 16:30 Os desafios na realização da concepção ágil de produtos digitais na perspectiva do facilitador
Liliane

O workshop de concepção ágil é a descoberta e o entendimento da visão do produto e de sua estratégia de lançamento incremental de forma colaborativa. Diferentemente de produtos criados da forma tradicional, tipicamente com um período longo de elicitação, o workshop busca, num curto espaço de tempo, identificar a versão mínima de um novo produto que permita obter o máximo de aprendizado, com o mínimo de esforço. Quero compartilhar a prática da facilitação desse workshop para concepção ágil de produtos digitais e os desafios ao determinar a primeira versão de um produto que permita o aprendizado, atendendo as expectativas dos clientes, muitas vezes com o prazos e custos pré-definidos.

Como desenvolver produtos de forma colaborativa e com foco no usuário
Filipi Assis

O conhecimento técnico de gestão de produtos é o básico, mas não vai ser suficiente se o seu time e stakeholders não comprarem a briga junto com você. Quer fazer uma transformação em seu produto e encantar seus usuários? Comece a construir essa mudança dentro de casa.

Alguns dos tópicos que irei abordar:

  • Como evitar a construção de uma funcionalidade que ninguém vai usar (seu designer vai gostar);
  • Como envolver todo o time e stakeholders na resolução de problemas;
  • Como ter uma cultura de testes e aprendizados.
16:40 às 17:30 O papel do QA como Coadjuvante de destaque na gestão de produtos
Luana Linares / Caroline Ita

Em muitos filmes, séries e até novelas, o coadjuvante (aquele personagem que dá suporte à história principal) acaba tendo destaque nas tramas, inclusive há premiações para os mesmos. Dentro de um time ágil, o QA é o coadjuvante de destaque que dá suporte em atividades como definição de requisitos e critérios de aceite, que visam oferecer um produto de qualidade aos usuáriios. Essa talk tem o objetivo de apresentar a rotina e responsabilidade dos Analistas de Qualidade em parceria com os gerentes de produtos para alcançar os objetivos propostos ao time, de forma divertida, fazendo alusão aos coadjuvantes de destaque do cinema.

UX e PO trabalhando juntos = produtos digitais melhores
Bruna Silva / Nilton Buske

No dia a dia PO e UX tem uma relação turbulenta. Mas se fosse diferente? Quando se constrói um formato de trabalho colaborativo é possível atingir bons resultados. Juntos podem criar produtos melhores. Para isso, é preciso ir além das técnicas e trabalhar sem se preocupar com o escopo de cada um, focando na necessidade do usuário, mantendo diálogo e respeito pelo outro.

Mapeamento de competências do PO
Gabriel

Você gostaria de trabalhar como PO mas não sabe o que precisa aprender para se desenvolver? Sua empresa precisa contratar um novo PO mas não sabe como contratar? Você é um PO e sente que está estagnado e gostaria de evoluir? Se você já se fez algumas dessas perguntas, venha conhecer o PDI do PO, trata-se de um mapeamento de competências técnicas e comportamentais relacionadas a cada atividade inerente a esse papel tão importante e que foi negligenciado por muito tempo.

17:40 às 18:30 O papel da Gestão de Pessoas e Liderança para o Gerente de Produtos
Leonardo Luzzatto

O Gerente de Produtos tem vários desafios diários, seja priorizar o backlog, atender às demandas de clientes e realizar benchmarks dos concorrentes, mas como fica a liderança e a gestão de pessoas para esse profissional? Considerando que o Gerente de Produtos precisa liderar um time de desenvolvedores e testers vou contar como foi o meu aprendizado sobre gestão de pessoas e liderança e como estou aplicando no time de produtos da SML Brasil.

Papel de PO distribuído: funciona? Lessons learned de um produto global
Viviam Ribeiro
  • Produto global, com core sólido para permitir governança centralizada, mas flexível para atender necessidades de tropicalização locais.
  • Desenvolvimento por parceiro externo com metodologia ágil e integração com sistemas legado com dev na TI interna, baseado em waterfall (com 4 releases ao ano).
  • Papel de PO é distribuido em um time, com representantes de 2 unidades de negócios e 4 regiões.

Será que essa salada de frutas deu certo? Se sim ou se não, quais são as lições aprendidas?

18:40 às 19:00 Encerramento e Sorteios

No horário de encerramento, todas as trilhas serão direcionadas de suas salas para o Auditório Principal, mesmo local da abertura.

Após a apresentação de resultados do dia muitos sorteios fecharão o dia.

Data e Local

Quarta-feira, 5 de Dezembro de 2018

10 às 19h

UniRitter

Rua Orfanotrófio, 555
Alto Teresópolis | Porto Alegre - RS

Informações sobre Data e Local


Público Alvo

Gerentes de Produto (Product Managers - PM), Product Owners - (PO), Analistas de Negócio, Empreendedores, Scrum Masters, Agilistas, Customer Success, Agile Coaches, Estudantes


Investimento

presencial:R$ 200,00

Fazendo sua inscrição presencial, você terá acesso a esta trilha e no mesmo dia também:
TDC Expo: Venha conversar com pessoas e conhecer empresas incríveis.

Trilha Stadium: Você poderá assistir às palestras da trilha Stadium do mesmo dia.


Palestrantes desta trilha

Caroline Ita
Caroline Ita
Webmotors
Gabriel Goes Pacheco
Gabriel
Objective
Haendel Sindra
Haendel Sindra
Resultados Digitais
João Cunha
João Cunha
Foregon / Lila
Jonatas Eduardo Salgado
Jonatas Eduardo
Warren Brasil
Liliane da Silva
Liliane
DBSERVER
Marco Rosner
Marco Rosner
Globo.com
Renata Auler
Renata
Thoughtworks
Viviam Ribeiro
Viviam Ribeiro
BI do Brasil

Patrocinadores


Silver



TDC +Diversidade


Patrocínios e Apoios Trilha e Workshop


Realização

Companhia Aérea Oficial